Terapia por ondas de choque

Terapia por ondas de choque, ou tratamento por ondas de choque, é um método que tem como finalidade tratar problemas ou doenças musculoesqueléticas. Abaixo você conhecerá mais detalhes sobre esta técnica, além das indicações e o funcionamento deste processo.

[su_spacer][su_spacer]

Tratamento ortopédico

Esta é uma das mais novas modalidades de tratamento na área de ortopedia. No Brasil, a terapia por ondas de choque começou a ser utilizada em 1999, porém na Alemanha isto já acontecia há nove anos.

São máquinas de diferentes modelos, que tratam lesões musculares, tendinosas ou ósseas, de acordo com a intensidade da onda aplicada no local que está sendo tratado.

Em 2001, um grupo de médicos chamado Sociedade Brasileira de Terapia por ondas de choque promoveu cursos e participou de congressos, tudo com o objetivo de divulgar a técnica a ortopedistas, médicos fisiatras e médicos de outras especialidades.

[su_spacer][su_spacer]

Como funciona o tratamento?

Apesar do nome, esta técnica não aplica choques no paciente. O que acontece é um impacto mecânico na região tratada. São ondas repletas de energia mecânica, que penetram na lesão e provocam cavitação.

Isto quer dizer que há rompimento de microbolhas e surgimento de microrrupturas na área inflamada. Com isto, há liberação de antiinflamatórios locais e estimulação da microcirculação local.

É este aumento na circulação que aumentará o envio de nutrientes e levará à cura natural do processo inflamatório e degenerativo.

[su_spacer][su_spacer]

A intensidade da energia

Como mencionamos acima, a intensidade da onda pode ser controlada. Se for de baixa energia, a terapia por ondas de choque é recomendada para produzir alívio da dor e relaxamento muscular. Nos casos de média energia há reparação dos tecidos e quando há alta energia ocorre estimulação óssea.

É importante frisar que as ondas mecânicas só atuam nos tecidos lesionados. Em tecidos normais elas não causam sintoma algum, muito menos prejuízo.

[su_spacer][su_spacer]

Como é feito o tratamento?

Você já sabe como funciona o tratamento por ondas de choque. Porém, com certeza ainda há dúvidas sobre esta técnica. Continue lendo este texto para sanar as questões sobre a realização deste método.

A terapia por ondas de choque é feita em consultórios ou ambulatórios médicos. Normalmente o paciente não necessita de internação, muito menos de anestesia. Estas medidas podem ser necessárias nos casos de tratamento ósseo, mas o especialista é quem fará esta análise.

São realizadas de três a seis sessões, sempre com intervalo de uma semana entre elas. Cada sessão aplica duas mil ondas nos locais lesionados do paciente.

[su_spacer][su_spacer]

As indicações deste tratamento

A terapia é indicada para portadores de lesões crônicas que não responderam bem a outros tratamentos. Também é recomendada para tendinites crônicas em trabalhadores e esportistas.

As primeiras indicações da terapia por ondas de choque aconteceram nos Estados Unidos e na Europa. São elas:

– epicondilite de cotovelo;

– fascite plantar (com ou sem esporão do calcâneo);

– tendinite calcária do ombro;

– pseudoartroses (fraturas que demoram a se consolidar).

Com o passar do tempo, mais indicações foram adicionadas às anteriores. Estas são tratadas na atualidade, juntamente com as já citadas.

– tendões cronicamente inflamados (tendinite do tendão de Aquiles, tendinite patelar, tendinite da fáscia lata do joelho);

– bursite trocanteriana;

– pubeíte;

– epicondilite medial de cotovelo;

– bursite de ombro.

[su_spacer][su_spacer]

Terapia por ondas de choque na coluna

Contudo, este método está contraindicado para tratamentos de coluna, cabeça e tórax. O que pode ser feito é o tratamento de dores musculares na região cervical, mas que se irradiam para os ombros e também aquelas dores lombares irradiadas para as pernas e os pés.

Em doenças onde há formação de pontos de gatilho, a terapia é eficaz em desfazê-los, provocando alívio da dor e relaxamento muscular. Estes pontos são nódulos que se encontram nos músculos.

Estas novas indicações estão em análise e ainda não há estudos científicos que comprovem sua eficácia. Porém, os resultados clínicos obtidos até o momento são bastante bons.

[su_spacer][su_spacer]

Resultados obtidos pela clínica

Segundo um estudo, nos oitocentos casos que a terapia por ondas de choque tratou desde 1999, para as mais variadas indicações, obteve-se de 65 a 75% de resultados positivos.

Isto quer dizer que houve desaparecimento da dor, reabsorção das calcificações e melhora dos movimentos das articulações. Nestas situações, os pacientes puderam retornar às suas atividades rotineiras normais, tanto profissionais quanto esportivas.

Contudo, é preciso salientar que a melhora não é imediata. Na maioria dos casos ela ocorre após quinze a vinte dias de tratamento. O prazo final médio de tratamento é de três meses, podendo ser repetido, se necessário.

[su_spacer][su_spacer]

Há contraindicações?

Nem todas as pessoas podem se valer da terapia por ondas de choque. Estes grupos citados abaixo apresentam contraindicações relativas de fazer o tratamento:

– crianças;

– gestantes;

– portadores de problemas de coagulação;

– portadores de marca-passo;

– pessoas com arritmia cardíaca grave;

– pessoas que possuem tumores.

[su_spacer][su_spacer]

Quais os cuidados necessários?

– Após a aplicação das ondas mecânicas, recomenda-se repouso de atividades esportivas até que o médico libere estes exercícios.

– Pede-se também que sejam feitas compressas com água quente ou gelo no local da aplicação. Este cuidado pode ser feito duas ou três vezes ao dia, por dez minutos.

– Também podem ser feitos alongamentos leves.

– É importante que o paciente mantenha-se em atividade rotineira: deve andar, dirigir e trabalhar normalmente.

[su_spacer][su_spacer]

Há complicações?

A terapia por ondas de choque é um tratamento que pode causar dor nas primeiras aplicações. Isto se deve ao estímulo das regiões lesionadas. Porém, não há complicações relatadas sobre este método.

[su_spacer][su_spacer]

O custo deste tratamento

O paciente que optar por este tratamento deverá desembolsar dinheiro para pagar as sessões. Isto porque os planos de saúde não contemplam e os médicos cobrarão de maneira particular todos os custos.

A justificativa é que a terapia por ondas de choque ainda não foi aprovada na relação de procedimentos médicos da Associação Médica de 2003, onde se fala deste recurso.

[su_spacer][su_spacer]

As tendinopatias

Já que citamos as tendinopatias várias vezes durante o texto, vamos explicar a você o que elas são e também diversas formas de preveni-las.

Tendinopatias são lesões que acometem os tendões. Eles são estruturas formadas por colágeno e sua função é transmitir a força gerada no músculo para os ossos. A mais conhecida lesão nos tendões é a tendinite, onde há ruptura parcial ou total do tendão. Porém, o tipo mais comum é a tendinose, doença que está diretamente relacionada ao envelhecimento e ao comprometimento vascular.

[su_spacer][su_spacer]

Tendinopatia em corridas

Normalmente as tendinopatias acontecem em corridas, e as principais causas você confere abaixo:

– o tendão perde capacidade de suportar uma força de compressão;

– desequilíbrio muscular;

– baixa flexibilidade;

– desalinhamento das pernas ou dos pés;

– erro de treinamento (frequência, intensidade ou volume muito alto);

– uso de calçados inadequados durante a corrida.

Para prevenir estas complicações, é importante seguir algumas recomendações:

– faça alongamentos dos músculos e tendões dos pés, antes e também depois de correr;

– fortaleça sua panturrilha e a região anterior da perna;

– faça aumentos máximos de dez por cento na carga semanal de treinos;

– use palmilhas ou calcanheiras especiais (peça indicação ao ortopedista).

Ao retornar às corridas, depois do tratamento da tendinopatia, atente-se para estas condições:

– o retorno só poderá acontecer após fortalecimento da musculatura;

– não devem ser percebidas dores nem inflamações;

– a panturrilha também precisará ser fortalecida, para que não haja esforço excessivo do tendão;

– os músculos devem ser alongados, especialmente os isquiotibiais (que formam as coxas e são responsáveis pela flexão do joelho);

É importante retornar somente após quantificação de força e equilíbrio com teste isocinético feito em clínica. Se houver alta, as corridas podem ser realizadas.

[su_spacer][su_spacer]

Tendinopatia no punho – uso do mouse

Nos casos de tendinite no punho, podem ser tomadas providências durante o uso de computador, especialmente no que se refere ao mouse.

– seu uso incorreto pode gerar desconfortos musculares e também nos tendões do antebraço (parte entre o cotovelo e a mão);

– mouses que não estejam em bom funcionamento não devem ser utilizados;

– o cotovelo deve ser mantido apoiado, com uma boa distância do corpo;

– o punho sempre fica apoiado, evitando esforço da musculatura superior;

– faça pausas e também alongamentos sempre que sentir necessidade;

– o mouse deve se movimentar somente em formato de cruz (de cima para baixo e também de um lado para outro). Qualquer outro movimento que implicar angulação entre a mão e o punho pode ser prejudicial.

[su_spacer][su_spacer]

Prevenção de tendinopatias em tênis de quadra

As corridas e o uso do mouse são mais frequentes, mas também podem existir tendinopatias em atletas praticantes de tênis de quadra. As prevenções para eles você lê abaixo:

– para evitar lesões na panturrilha, alongue-se antes e depois do jogo;

– faça reforço muscular nesta região;

– procure um médico se sentir dor;

– não force em caso de dores. Se a dor for aguda, pare de jogar imediatamente e procure um ortopedista;

– prefira quadras de saibro em detrimento às quadras de cimento;

– faça musculação para os membros inferiores e superiores;

[su_spacer][su_spacer]

Como prevenir lesões tendinosas em qualquer esporte

Se você não pratica corridas ou tênis de quadra, mas é atleta, pode se valer das seguintes recomendações para evitar lesões e outros problemas nos músculos, ossos e articulações:

– evite movimentos repetitivos;

– não realize atividades físicas sem orientação;

– beba bastante água;

– não se esqueça de alongar-se antes e depois do esforço muscular.